BUMBA MEU MITO

      BUMBA MEU MITO é um espetáculo teatral que se baseia na história da encenação do Bumba meu boi em que a personagem Catirina, grávida de seu marido Chico, obriga o esposo a roubar a língua do boi de estimação do Fazendeiro para comê-la. Ao final, tendo o dever de ressuscitar o animal, chamam o Pajé para tal feito.

       Num diálogo com a antiguidade grega clássica, o texto inicia-se no mito que habita o labirinto de Creta e vem atravessando o tempo até que a história alcance a transformação do Minotauro no tradicional Boi, do Boi bumbá brasileiro.

       Como castigo de Poseidon, Rei Minos é traído por sua esposa Pasifae e, como fruto da traição, ela dá a luz ao lendário Minotauro. Escondendo a vergonha e defendendo o trono, Rei Minos prende o touro bastardo em um labirinto criado por Dédalo. Teseu Francisco, auxiliado pelo fio de Catiriadne, consegue adentrar o labirinto e enfrentar o grande monstro, mas a luta gera grande infortúnio ao povo, pois, assim como predisse o sábio Tirésias: “Por uma besta dar-lhe um coice, não se lhe corta uma perna”.

       A composição plástica e sonora do espetáculo remete a elementos da cultura clássica, bem como da cultura popular brasileira. Alguns recursos são: o uso de máscaras teatrais para compor o coro grego; chitas, bandeirolas e um corpo de boi situam o tempo e o espaço da cena; enquanto tambores, chocalhos, pandeiro, violão e rabeca vão dando a cor musical de toda a representação.

       Ao longo da história, os personagens e seus duplos – Rei Minos e Fazendeiro; Catiriadne e Catirina; Teseu Francisco e Chico; Dédalo e Capataz; Filósofo e Pajé vão envolvendo o público numa trama fantástica em busca da ressurreição do mítico boi.

Dados Técnicos

Duração: 60 minutos
Classificação: Livre
Cenário: 2 cortinas a serem fixadas em vara, ao fundo do palco. Adereços colocados e retirados de cena pelos próprios atores.
Sonorização: música executada ao vivo utilizando: violão, violino, vozes, alfaia, chocalhos e pandeiro.

Caso o espaço não possua acústica ideal, necessita-se amplificação para violão, violino e seis vozes.

Iluminação (em caso de espaço fechado): 3 Epsoidais (1 frente, centro; 1 lateral direita, centro; 1 lateral esquerda,
centro) / 20 Pcs de 1.000 ou 500 (8 Geral; 6 contra; 16 distribuídos sobre a cena)

Ficha Técnica

Texto, Direção, Cenografia, Figurinos, Criação de Máscaras e Adereços

Rogério Magalhães

Músicas

Macedo Griot, Mestre Ciriaco (Boi Pindaré), Cacuriá de
Dona Teté, Coco Raízes de Arcoverde, Vinicius de Moraes

Atores, Músicos e confecção de adereços

Caroline Cruz, Juliana Caldeira, Macedo Griot, Paula Almeida, Renata Andrade e Rodrigo Araújo.

Maquiagem

Juliana Caldeira

Produção

Destroiados


Confecção de Figurinos

Ana Azeredo